Medeia

Uma co-criação da Cia. JGM com o Teatro Ibérico

Ficha Técnica e Artística

Texto: Francisco Luís Parreira
Direção e Espaço Cénico: João Garcia Miguel
Música: Mário Laginha
Interpretação: David Pereira Bastos e Sara Ribeiro
Figurinos: Rute Osório de Castro
Desenho de Luz: JGM e João Chicó - Contrapeso
Apoio Técnico: AUDEX
Produção: Georgina Pires
Fotografia: Susana Chicó e Mariana Silva
Consultoria de Imagem e Comunicação: Alcina Monteiro e Joana Rosa

Technical and Artistic List

Text: Francisco Luís Parreira
Direction & Scenic Space: João Garcia Miguel
Music: Mário Laginha
Cast: David Pereira Bastos & Sara Ribeiro
Costumes: Rute Osório de Castro
Ligh Design: João Garcia Miguel & João Chicó - Contrapeso
Technical Support: AUDEX
Production: Georgina Pires
Photography: Susana Chicó & Mariana Silva
Image Consultancy & Comunication: Alcina Monteiro & Joana Rosa

Co Produção

Companhia João Garcia Miguel | Teatro Ibérico | DGARTES | Governo de Portugal | Junta de Freguesia do Beato | CAA Arquipélago de São Miguel, Açores | Teatro Aveirense | Teatro-Cine de Torres Vedras | Teatro das Figuras de Faro | Cine Teatro António Lamoso de Santa Maria da Feira | Câmara Municipal de Coimbra – Convento de São Francisco | Teatro José Lúcio da Silva de Leiria

Coproduction

Companhia João Garcia Miguel | Teatro Ibérico | DGARTES | Governo de Portugal | Junta de Freguesia do Beato | CAA Arquipélago de São Miguel, Açores | Teatro Aveirense | Teatro-Cine de Torres Vedras | Teatro das Figuras de Faro | Cine Teatro António Lamoso de Santa Maria da Feira | Câmara Municipal de Coimbra – Convento de São Francisco | Teatro José Lúcio da Silva de Leiria
“Acordo com frequência à noite com suores frios a pensar que me tornei banal, que tudo na minha vida vai bem demais para mim, que vou morrer por debaixo de um cobertor grosso, que deixei de ser um inovador.”
Vsevolod Meyerhold, 1937

Uma primeira ideia que se destaca desta peça é a sua relação entre o passado e o futuro. Esta obra mantém uma atualidade e pertinência que permite refletir sobre a diminuição do poder simbólico no mundo contemporâneo. O texto de Eurípides levanta possibilidades de abordagens múltiplas. Propõe questões sobre o papel do feminino na redefinição do tecido político e social. Propõe questões sobre as transformações das relações interpessoais. Propõe questões sobre a emigração e o estatuto de refugiado que, chegado a um mundo novo e diferente, tudo faz para se adaptar às regras e exigências que lhe são impostas com consequências, por vezes, inimagináveis. Por último, levanta uma questão central sobre os protagonistas da História e a vida dos indivíduos. São estes os pontos que nos irão conduzir na abordagem desta obra em busca das sombras que nos moldam o ser. Correndo contra o tempo, acreditamos estar a fazer um outro tempo.
"I often wake up at night with cold sweats to think that I have become banal, that everything in my life goes too well for me, that I am going to die under a thick blanket, that I stopped being an innovator."
Vsevolod Meyerhold, 1937

A first idea that stands out from this play is its relationship between the past and the future. This work maintains a current and pertinence that allows to reflect on the diminution of the symbolic power in the contemporary world. Euripides' text raises possibilities for multiple approaches. It proposes questions about the role of the feminine in the redefinition of the political and social scenario. It proposes questions about the transformations of interpersonal relations. It proposes questions on emigration and refugee status which, when they arrive at a new and different world, do everything to adapt to the rules and requirements imposed on them within sometimes unimaginable consequences. Finally, it raises a central question about the protagonists of history and the lives of individuals. These are the points that will lead us on the approach of this work while searching for the shadows that shape us. Running against time, we believe we are doing another time.