Diário de Um Migrante

texto de Maria Inês Almeida e encenação de Rita Costa e João Garcia Miguel

uma co-produção entre a Cia. JGM e o Teatro Ibérico

Ficha Técnica e Artística

Texto Original: Maria Inês Almeida
Encenação: Rita Costa e João Garcia Miguel
Cenografia e Caracterização: Ana Sofia Gonçalves
Ator: João Paulo Reis
Música: Ricardo Martins
Direção técnica: Roger Madureira
Voz gravada: David Pereira Bastos
Produção e Vendas: Georgina Pires
Assessoria de Imprensa: Alcina Monteiro
Comunicação: Joana Rosa
Fotografia: Foto de Sonho

Technical and Artistic List

Original Text: Maria Inês Almeida
Play-Acting: Rita Costa & João Garcia Miguel
Costumes, Scenic Space: Ana Sofia Gonçalves
Actor: João Paulo Reis
Music: Ricardo Martins
Technical Director: Roger Madureira
Taped Voice: David Pereira Bastos
Production Director: Georgina Pires
Press Realease:: Alcina Monteiro
Communication: Joana Rosa
Photography: Foto de Sonho

Co Produção

Cia JGM e Teatro Ibérico

Coproduction

Cia JGM & Teatro Ibérico

Apoios

AUDEX, Casa Pia de Lisboa, DGArtes, Governo de Portugal, Câmara Municipal de Lisboa, Junta de Freguesia do Beato e IEFP.

Supports

AUDEX, Casa Pia de Lisboa, DGArtes, Governo de Portugal, Câmara Municipal de Lisboa, Junta de Freguesia do Beato e IEFP.

Parceiros

ACM - Alto Comissariado para as Migrações, da PAR – Plataforma de Apoio aos Refugiados e da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e dos Jovens

Partners

ACM - Alto Comissariado para as Migrações, da PAR – Plataforma de Apoio aos Refugiados e da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e dos Jovens
Este espetáculo tem como base o livro Diário de um migrante, com texto de Maria Inês Almeida, ilustrações de Ana Sofia Gonçalves e edição da Dinalivro. Destina-se a um público geral, a partir dos 6 anos, com apresentações também para escolas, como modo de sensibilização para o tema dos migrantes e refugiados. O espetáculo conta a história de um pássaro que tem de abandonar o seu país e recomeçar a vida num novo lugar. Um pássaro que enfrenta os desafios e dificuldades de um novo começo - fazer novos amigos, encontrar um trabalho, ultrapassar as saudades do que deixa para trás - mas que todos os dias se reinventa e transforma as coisas por onde passa. Por exemplo, de um copo faz uma casa, da sua mala faz um baloiço. É uma história que deixa uma mensagem de esperança para todos aqueles que também perderam as suas asas e têm de recomeçar e que realça a importância de como um gesto pode ser determinante para quem procura um novo lugar no mundo. A ideia do espetáculo é ser tão poético como o livro. Com poucas palavras e imagens que falem por si. O cenário é construído e transformado pelo ator à medida que a peça avança, numa espécie de work in progress, introduzindo malas, portas, caixas de correio, sinais de trânsito e diversos objetos que ajudam a contar a história e em que o conteúdo de cada dia vai acontecendo em palco. Ora com a representação do ator, ora em formato de teatro de sombras, de teatro de objetos, de marionetas e de projeções. A música e o som são criados ao vivo pelo violinista Gil Dionísio.
Este processo representa a oportunidade da personagem recriar o seu espaço, o seu sonho, associado à esperança de uma nova vida. O espetáculo termina com o cenário representando a sua nova casa/ cidade, composta pelos objetos transformados, formando uma espécie de manta de retalhos, associando-se à técnica de colagem do livro.
A maioria dos materiais da cenografia provêm do
re-aproveitamento de objetos deixados no lixo, de modo a corresponder à questão de transformação e reinvenção presente no livro.
This show is based on the book Diário de um migrante, with text by Maria Inês Almeida, illustrations by Ana Sofia Gonçalves and edition of Dinalivro.
It is aimed at a general public, from the age of six, with presentations also for schools, as a way of raising awareness of the issue of migrants and refugees.
The show tells the story of a bird that has to leave its country and start life in a new place. A bird that faces the challenges and difficulties of a new beginning - making new friends, finding a job, overcoming the longings of what it leaves behind - but that every day reinvents itself and transforms things wherever it goes. For example, from a glass he makes a house, he swings out of his trunk.
It is a story that leaves a message of hope for all those who have also lost their wings and have to start over and who highlights the importance of how a gesture can be decisive for those looking for a new place in the world. The idea of ​​the show is to be as poetic as the book. With few words and pictures that speak for themselves.
The stage is constructed and transformed by the actor as the piece progresses, in a kind of work in progress, introducing suitcases, doors, mailboxes, traffic signals and various objects that help tell the story and in which the content of each day is happening on stage. Now with the representation of the actor, now in the form of theater of shadows, theater of objects, puppets and projections.
Music and sound are created live by the violinist Gil Dionísio.
This process represents the opportunity for the character to recreate his space, his dream, associated with the hope of a new life.
The show ends with the scene representing his new house / town, composed of the transformed objects, forming a kind of patchwork, associated with the technique of collage of the book. Most of the scenography materials come from the re-use of objects left in the trash, to correspond to the question of transformation and reinvention
in the book.