Bichos

Ciclo Novas Bacantes

Um Projeto para Frederico Barata

Ficha Técnica e Artística

Texto: João Garcia Miguel
Direção e Encenação: João Garcia Miguel
Interpretação: Frederico Barata
Apoio ao Movimento: Lara Guidetti
Fotografia e Vídeo: Tyrone Ormsby
Direção Técnica e de Luz: Luís Bombico
Direção de Som: Manuel Chambel
Produção: Raquel Matos

Technical and Artistic List

Text: João Garcia Miguel
Direction & Staging: João Garcia Miguel
Interpretation: Frederico Barata
Support of Movement: Lara Guidetti
Photography & Video: Tyrone Ormsby
Technical & Lighting Direction: Luís Bombico
Direction of Sound: Manuel Chambel
Production: Raquel Matos

Co Produção

Teatro-Cine de Torres Vedras, Teatro Ibérico, Centro Cultural Vila Flor, Centro Cultural de Ílhavo

Coproduction

Teatro-Cine de Torres Vedras, Teatro Ibérico, Centro Cultural Vila Flor, Centro Cultural de Ílhavo, Sanpapié

Apoios

Governo de Portugal | Direção Geral das Artes

Supports

Governo de Portugal | Direção Geral das Artes
Servirmo-nos de um texto clássico é como sermos empurrados a espreitar a nossa alma quando ela adormece. Usar um texto clássico é um exercício de mistério e procura sobre o que nos escapa e arrebata. É uma prática de superação e de transformação sobre o que desconhecemos. No texto As Bacantes de Eurípides sentimos que se levantavam tantas interrogações e possibilidades de resposta, que uma apropriação do texto de modo tradicional nos fez sentir que estaríamos a mergulhar numa limitação inconsolável. No percurso da companhia a busca de uma diferença, uma singularidade, acompanha cada nova criação.

Arrebatados pelas Bacantes procurámos um modelo de abordagem com várias vias secundárias que contivessem em si os tempos antigos e os dias de hoje; as questões do corpo e do inconsciente; o corpo enquanto objeto poético e as suas componentes de animalidade; o corpo do artista e o corpo do espetador; o impulso sobre o confronto que pudesse ultrapassar o êxtase da leitura, do olhar silencioso, do obstáculo de um tempo único. Assim, acabámos por construir um espectáculo que contém em si quatro experiências a solo. Quatro visões sobre as Bacantes, que são no fundo quatro objectos artísticos apresentados a solo, com uma atriz, um ator, uma performer e uma bailarina. Como um puzzle o espectador pode construir a sua perspetiva a partir de um destes solos sobre as Bacantes. Ciclo Novas Bacantes, é o nome que une todas as partes, os quatro olhares em torno da obra de Eurípides.

Para o Frederico Barata estou a trabalhar três contos do livro Os Bichos de Miguel Torga, que são: Bambo, o Sapo; Cegarrega, a Cigarra; Miúra, o Touro. A beleza do corpo que dança como um ponto parado onde tudo se move dentro de nós. A generosidade e a descoberta de um dos actores que é como um oráculo que nos fala de outro mundo, das coisas que não vemos mas sentimos. O perseguir de um estado que não tem palavras para se descrever. Tudo isto faz parte deste nosso processo. Meu, do Fred e espero que, depois, do vosso também.
To serve ourselves a classical text is like being pushed to peek into our soul when it is asleep. Using a classical text is an exercise of mystery and a search for what escapes and snatches us. It is a practice of suppuration and transformation over what we do not know. In the text Bacchae from Euripides we feel that many questions and possibilities for answer are aroused, that an appropriation of the text in a traditional way made us feel like we would be diving into a inconsolable limitation. The course of the company, the search for a difference, a singularity, accompanies each new creation.

Rapt by Bacchae we searched for a model of approachment with several secondary paths that would contain the ancient times and the modern day. That would contain the questions of the body and of the unconsciousness. That would contain the body as a poetic object and it’s animalistic components. That would approach the body of the artist and the body of the viewer by impulsing a confrontation that overcomes the ecstasy of the reading, of the silent eye, of the obstacle of a unique time. So, we have ended up building a show that contains in it self four solo experiences. Four visions over Bacchae, that deeply are four artistic objects presented solo, with an actress, an actor, a performer and a dancer. Like a puzzle the viewer can build their own perspective from any one of the solos about Bacchae. Ciclo NOVAS BACANTES (NEW BACCHAE Cycle) is the name that unites all parts, the four visions around Euripides work.

For Frederico Barata I am working on three tales from the book Os Bichos by Miguel Torga, which are: Bambo, the Frog; Cegarrega, the Cicada; Miúra, the Bull. The beauty of the body that dances like a stopped point where everything moves inside of us. The generosity and the discovery of one of the actors that is like an oracle that speaks to us from another world, of things that we don’t see but feel. The chasing of a state that has no words to be described. All of which is part of this project of ours. Mine, of Fred, and I hope afterwards, yours.