Sinopse     

Servirmo-nos de um texto clássico é como sermos empurrados a espreitar a nossa alma quando ela adormece. Usar um texto clássico é um exercício de mistério e procura sobre o que nos escapa e arrebata. É uma prática de superação e de transformação sobre o que desconhecemos. No texto As Bacantes de Eurípides sentimos que se levantavam tantas interrogações e possibilidades de resposta, que uma apropriação do texto de modo tradicional nos fez sentir que estaríamos a mergulhar numa limitação inconsolável. No percurso da companhia a busca de uma diferença, uma singularidade, acompanha cada nova criação.

Arrebatados pelas Bacantes procurámos um modelo de abordagem com várias vias secundárias que contivessem em si os tempos antigos e os dias de hoje; as questões do corpo e do inconsciente; o corpo enquanto objecto poético e as suas componentes de animalidade; o corpo do artista e o corpo do espectador; o impulso sobre o confronto que pudesse ultrapassar o êxtase da leitura, do olhar silencioso, do obstáculo de um tempo único. Assim, acabámos por construir um espectáculo que contém em si quatro experiências a solo. Quatro visões sobre as Bacantes, que são no fundo quatro objectos artísticos apresenta- dos a solo, com uma atriz, um ator, uma performer e uma bailarina. Como um puzzle o espectador pode construir a sua perspectiva a partir de um destes solos sobre as Bacantes. Ciclo Novas Bacantes, é o nome que une todas as partes, os quatro olhares em torno da obra de Eurípides.

Para a Rita Barbita, que está connosco há dois anos a trabalhar, criei uma performance com o título/tema Pés Descalços. É um objecto artístico que fala de promessas e nos pergunta: Quando poderemos dançar livres do medo de ser trucidados pelas feras que os caçadores da noite lançam no nosso encalço?

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Play Video

CRÉDITOS

jgm – joão garcia miguel
Rua Carlos Mardel 113 R/C Dto – 1900-121 Lisboa, Portugal
tlm: +351 933 327 229
georgina@joaogarciamiguel.comjoaogarciamiguel.com

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA​

Texto: João Garcia Miguel
Direção e Encenação: João Garcia Miguel
Interpretação: Rita Barbita
Apoio ao Movimento: Lara Guidetti
Fotografia e Vídeo: Tyrone Ormsby
Direção Técnica e de Luz: Luís Bombico
Direção de Som: Manuel Chambel
Produção: Raquel Matos

co-Produção

Teatro-Cine de Torres Vedras, Teatro Ibérico, Centro Cultural Vila Flor, Centro Cultural de Ílhavo

Financiamento

A Companhia João Garcia Miguel tem o apoio do Ministério da Cultura, da Secretaria de Estado da Cultura e da Direcção Geral das Artes

APOIOS