Sinopse     

Troquei o corpo de velho por um violino. Troquei o violino por uma alma de criança. A criança tinha oito anos e carregava em si toda a sabedoria do mundo. Toda a sapiência não cabia no corpo frágil da alma da criança. O corpo velho apodrecia, adormecido. Não consta que tivesse seguro de saúde, ou passaporte.

Podemos começar de novo? Noutro lugar? Um outro lugar cheio de espaço. Um lugar novo. Atulhado na ausência dos corpos e das almas. Povoado por animais que descem das árvores e são caçados por predadores. Uma espécie de nova ordem natural. Um lugar vazio, cheio de violinos. Podemos começar de novo? Recomeçar a partir do sonho, como crianças de oito anos, sem corpo. Começar perto de lugares desertos, intocados pela mão do homem. Lugares de vida, onde a natureza define o seu destino. Lugares onde deixamos as crianças de oito anos subirem às árvores para contemplar o mundo e ouvir melhor os violinos. Lugares de imaginação e confronto.

Sonhei que a chave do mundo morava no coração da alma da criança de oito anos. No som dos violinos, nos animais em metamorfose e num corpo que se deixa adormecer para conhecer melhor o mundo. O sonho era um lugar negro, dentro desse lugar apagado que se chama noite. O sonho e a noite eram marginais. Escorriam por entre os dedos e deixavam-se beber por lábios insaciáveis. A chave era a porta do sonho do mundo. Todos aguardavam o profeta, em cima de árvores, despidos de corpos. Leves, como almas puras de crianças rebeldes. Nesse espaço, nesse sonho havia algo a dizer. Não precisamos de dentistas porque os nossos próprios dentes não existem.

Sonhei que o corpo era uma fronteira. Do lado de dentro, a alma lançava-se contra a pele impenetrável das coisas. Uma Deusa do norte era o arauto de um novo amanhecer. Um sonho onde o sentido sai da pele, faz-se melodia e reverbera de novo para o corpo, que mais não é do que a alma de uma criança de oito anos. No sonho, de mãos entrelaçadas e lábios molhados, dançávamos o tango primitivo e sabíamo-nos anjos devastadores, de martelo em riste.

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Play Video

CRÉDITOS

jgm – joão garcia miguel
Rua Carlos Mardel 113 R/C Dto – 1900-121 Lisboa, Portugal
tlm: +351 933 327 229
georgina@joaogarciamiguel.comjoaogarciamiguel.com

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA​

Texto, Direcção e Encenação | João Garcia Miguel

Performance | Sara Ribeiro

Música Original | Sara Ribeiro, Lula’s, Gil Dionísio

Musica Live | Lula’s, Diogo Esparteiro, Gil Dionísio

Vídeo e Fotografia | Miguel Lopes e João Catarino

Figurinos | Miguel Moreira

Apoio ao Movimento de Sara Ribeiro | Romeu Runa

Apoio à Dramaturgia | Mário Verino Rosado

Produção Executiva | Raquel Matos

Coordenação de Projectos | Tiago da Câmara Pereira

Assistente de Produção |Sara Vigário

Assessoria de Imprensa |Alcina Monteiro e Joana Rosa

Direcção de Comunicação | Alcina Monteiro e Sara Ribeiro

co-Produção

Teatro-cine De Torres Vedras | Câmara Municipal Torres Vedras | Festival Internacional De Teatro De Almada

Financiamento

A Companhia João Garcia Miguel tem o apoio do Ministério da Cultura, da Secretaria de Estado da Cultura e da Direcção Geral das Artes

APOIOS

AUDEX | Rui Viola Produções | Teatro-Cine de Torres Vedras, Câmara Municipal de Torres Vedras | Festival de Teatro Almada | Teatro Joaquim Benedite